Para os saudosistas que querem relembrar as historias de Mauricio de Sousa nos anos 70 e 80 Para ler os antigos comentários, acesse: http://www.revistadamonica.theblog.com.br/

domingo, setembro 10, 2006

 
NOVO ENDEREÇO:
http://www.turmadamonica.cjb.net/
Devido a alguns ploblemas de uploads neste blog, daqui por diante, as atualizações continualão sendo feitas neste novo site! Obligado a todos!

terça-feira, agosto 15, 2006

 
Secundários e Esquecidos 9

Rubão e Mariazinha - Em tempos não tão politicamente corretos, o casal de namorados Rubão e Mariazinha faziam sucesso em suas historinhas solo, ou participando das histórias da Tina. Rubão era aquele cara machão, extremamente ciumento e dominador, enquanto Mariazinha era a típica submissa. Apesar disso eles faziam o casal perfeito. Foram 'varridos' das revistinhas talvez pelos movimentos feministas, afinal, qual mulher gostaria de ter a Mariazinha como exemplo?
Massaru - Aquele japonesinho que fez uma participação relampago nos anos 70. Vestindo quimono e falando errado, Massaru até tentou ensinar alguma coisa da cultura oriental para turminha, mas não adiantou muito, e depois disso... sumiu. Talvez tenha voltado ao Japão.
Cana Braba - Apesar do apelido meio esquisito para uma criança, o gordinho meio desajeitado era uma presença frequente nas histórias do Pelezinho, ora jogando, ora sendo seu melhor amigo.
Zé Munheca - Um antigo personagem do Mauricio, que foi revitalizado em algumas edições da Mônica do final dos anos 70. Estrelando algumas hitorias mudas, Zé Munheca era o típico avarento, a versão Mauriciana do Tio Patinhas. Tão incorreto como o Nico Demo, desapareceu das revistas e nunca mais foi visto.
Vartolo - Eis aí um amigo do Piteco. Com seu cabelo espetado, bermudão de pele e correntinha no pescoço, ja´apareceu de várias formas, mas sempre mantendo esse estilo.
Muminho - A múmia neurótica que habita o cemitério do Penadinho. Ha de se estranhar porque tantas vezes ela foi mostrada como um ser invisível debaixo das bandagens, já que é uma múmia, e não um fantasma. Hoje ela ( ele ) prefere se mostrar como é. Aquele ser feio e enrugado com um terrível bafo de... múmia.
Fido - O Cachorrinho do Chico Bento. Já apareceu em várias historias farejando onças ou raposas para o Chico Bento caçar ( com aquele trabuco nada correto ). Os tempos mudaram, o Fido foi aposentado e morreu. Morreu? não exatamente. De tão dorminhoco foi enterrado e ressusitado anos atrás. Hoje aparece frequentemente nas historinhas do chico, porém.. caçar... nunca mais.

domingo, agosto 13, 2006

 

Magali n° 1 - Fevereiro de 1989 Da Turminha do primeiro escalão, Magali foi a última a ganhar sua própria revistinha. Resultado de uma campanha que a própria fez nas revistas dos seus amigos do bairro ( Mônica, Cebolinha, Cascão... e Chico Bento - 'Eu também quero a minha revista!!'). Quase 30 anos depois de sua amiga Mônica, finalmente em 1989 sai o primeiro número da Magali.. dentro de uma caixinha. De cara, já ganhou 2 coadjuvantes de peso, Dudu e Mingau. Magali, pela sua delicadeza e meiguice, acabou ganhando uma legião de fãs, na maioria meninas, que se identificaram mais com sua feminilidade, superando em vendagem, em certos meses, a revistinha da 'concorrente'
Mônica. Com 36 páginas, a revista custava Cz$ 360,00 ( que na época significava ser algo barato ).

Vizinhos Opostos - Eis aí a estréia do Dudu. O garotinho ( de sobrenome 'Moreno' ) aparece aí como o novo vizinho da Magali, já com a sua birra por comida. Seria a antítese da Magali. Nessa história, os pais do Dudu convidam a Magali pra almoçar, esperando que sua fome convença o Dudu a comer também. Claro, que o plano vai por água abaixo, já que a comilona detona todo o almoço sózinha.
Minha Dona - Estréia do Mingau ( que até então não tinha nome. O nome Mingau foi escolhido num concurso entre leitores, logo depois ). Mingau é mostrado aqui como um gatinho abandonado, adotado e 'engordado' pela Magali.
Imperdoável - Magali fila o lanchinho de todos os amigos, para no final, olhar para o leitor e perguntar: ' Você está comendo alguma coisa aí? ' A Menina e a Lua - Historinha ambientada em uma vila chamada Mussa Rella, na qual vivia uma menina chamada Magali. Ladrões roubam todo o queijo do lugar e a culpa recai sobre ela, que de tanta fome, deseja ser levada até a Lua ( já que a lua é de queijo ). Lá ela come, come, come, explicando o porque da lua ser minguante, nova, crescente, e depois cheia.

domingo, agosto 06, 2006

 

Mônica n°45 - Janeiro de 1973

Limonada dá Confusão - Indo na venda do Seu Joaquim para comprar limão, Mônica sem querer leva um limão de plastico com um diamante dentro.
Táááááá - Chico Bento encontra Zé da Roça dormindo e tenta acorda-lo com uma cornetinha, mas no caminho entre sua casa e o lugar onde estava o Zé, só se mete em confusao. Engraçado como a mãe do Chico nessa época era retratada como uma velha rabungenta, mais parecida com a Vovoca da Tina.
Mônica - Historinha curtinha, sem titulo. A fim de gastar um rolo de filme para participar de um concurso de fotos, queima a ultima com seu retrato ( e adivinhem qual ela usa para o concurso ? )
Um Tremendo Charme - Depois de ouvir do Cascão o elogio de que ela fica um tremendo charme ao levar o Sansão para passear num carrinho de bebê, Mõnica decide sair sempre assim, se dando muito mal.
Jotalhão - Rita Najura continua perseguindo Jotalhão. Nessa historia ela descobre o medo do elefante... o Juca Ratinho.
Xii.. Ocupado - Mônica tenta telefonar para o Cebolinha. Este pensa a mesma coisa e as duas linhas dão ocupado. Ambos vão na casa do outro e não encontram, e quando voltam, ao tentar ligar de novo dá... ocupado.
Horácio - Historia curtinha com mais ou menos o mesmo tema da de cima. Horácio vai visitar os Napões e estes pensam na mesma coisa. ambos não se encontram e ficam esperando.
O Assalto - Dois ladrões tentam assaltar um banco, e para isso desativam o alarme. Mônica e Cebolinha ao passarem pela frente, imitam o barulho de um despertador, que avisa a polícia.
Penadinho - Historinha no estilo do Mauricio. Pixuquinha chora as magoas por não ter perninhas, e apenas pés que emendam na barriguinha. O 'Gopa' da Mônica - Historia Mauriciana, daquelas que nos deixam com uma pulga atrás da orelha. Mais voltada para o 'além da imaginação', Mônica adota um bichinho, que ela batiza de GOPA. Contente, ela sai para passear com o bichinho amarrado numa corda. O único detalhe é que o bichinho é invisivel.
Bidu - Bidu tenta ajudar Duque a curar seu soluço.
Ah, Gilda, Gilda! - Mônica encontra uma menina idêntica a ela chamada Gilda. Cheia de problemas com uma turma de briguentos do outro bairro, ela convence Mônica a ajudá-la.

domingo, julho 23, 2006

 

Mônica n° 1 - Janeiro de 1997

Em Dezembro de 1986 expira o contrato que Mauricio de Sousa tinha com a Editora Abril, depois de uma parceria de 16 anos e 200 edições da revista Mônica. Em Janeiro de 87 saiu a primeira revista 'Mônica' pela nova editora, a Globo, zerando a numeração e recomeçando pelo número 1 ( assim como as demais revistinhas da turma ). Com o preço de 9,30 cruzados ( alguém lembra que moeda é essa? ), a edição contava com a introdução do próprio Mauricio, saudando a nova editora e agradecendo a antiga. As histórias ( na maioria curtinhas, de 2 ou 3 páginas ) são as seguintes:
Membros Ativados - Um cientista doido cria uma fórmula que faz com que os membros da Mônica ( pernas e braços ) criem vida própria enquanto ela dorme.
Horácio - Um macaquinho tampa os olhos do Horacio por tras, e seus braços dão a impressão de que ele está zangado, assustando os demais dinossauros.
Emergência, Emergência - Tina não desgruda do telefone, deixando o seu pai transtornado.. até chegar a conta.
O Segredo - Mônica convence Cebolinha a comer espinafre para ficar forte como ela.
Uma Superprodução para o Bidu - Cansado das historias monótonas, Manfredo arruma para o Bidu alguns épicos da Turma da Mônica para ele tomar parte ( com referencias a 'chuva na roça' de Chico Bento, 'As Sombras da Vida', de Piteco, ' Sete Quedas', 'Emoções' e outros clássicos da Abril ).
Sessão da Tarde - Chico Bento dá uma de Indiana Jones para chegar ao cinema.
Namorar em Dose Dupla - Para deixar a Mônica feliz, Cebolinha e Cascão decidem namorar com ela.
Que Coincidência - Toda roupa que a Tina usa, a Pipa usa igual.
O Beliscador - Penadinho dá uma de tarado e sai beliscando todas as mulheres que encontra.
O Encontro - Franjinha, Titi, Zé Luis, Jeremias e outros garotos tem um encontro com a mesma garota.
Cheio de Tiques - Rolo encontra um cara cheio de cacoetes.
Crianças Não - Titi decide não ser mais criança
Horácio - Tablóide ( formato para jornais ) em que Horacio finge ser um côco
Piscadelas - Tina acha que o vizinho de classe está paquerando-a enquanto ele só quer é a cola da prova.
Uma Visão Diferente - O mundo visto pelos óculos quebrados do Zé Luis.
O Colete a Prova de Coelhadas - Um cientista adota um colete ultra resistente, que Cebolinha acaba usando contra as coelhadas.

domingo, julho 16, 2006

 

Mônica n°44 - Dezembro de 1973

Mas uma edição de Natal, que conta com as historias:

Um Cometa Para o Natal - Historia Mauriciana e um pouco assustadora. Diabinhos começam a povoar misteriosamente as nuvens onde moram os anjinhos. A pedido do Anjinho.. Mônica e turma ( Cebolinha, Cascão e Bidu ) vão para o céu descobrir qual é o plano dos Diabinhos.. Lá sabem que os capetinhas estão querendo poluir todo o céu na noite de natal para que os mortais não possam ver um tal cometa que iria cruzar o horizonte, como fez a 1973 anos atrás.
Um Cisco no Olho - Tema hoje meio batido do Cascão com Cisco no olho e Mônica tentando soprar, mas naquela época era novidade.
O Domador - Anjinho tenta domar um satélite como um vaqueiro.
O Que Será Que Tem Dentro da Caixa? - Mônica Acha uma caixa fechada, ao tentar abri-la a destrói, e passa a historia tentando montá-la com a ajuda do Cebolinha e Cascão para descobrir que dentro dela havia um... quebra cabeças.
O Grande Virtuose - Jotalhão tenta aprender a tocar violino.
Um Balão Muito Cheio - De tanto falar e vier cheio de bla bla blas, o balão ( de fala ) da Mônica se rebela.
Bidu - Bidu conversa com o aviso de FIM.

A Arte de Hipnotizar - Mônica compra um livro de hipnotismo e tenta hiptnotizar o Cascão ( você vai pular no rio... )
O Ovo - Giselda Coloca um ovo de Avestruz e Chico Bento tenta abri-lo.
Horácio - O Dinossaurozinho tenta arrumar um balanço para seu amigo Antão.
Cavalheirismo - Mônica convence Cebolinha a pagar um sorvete, pois uma dama não deve pagar o seu. Cebolinha pede dinheiro emprestado ao Cascão, que pede a Magali, que acaba pagando.


domingo, junho 25, 2006

 

UM DINOSSAUROZINHO EU SOU

Horácio originalmente era o dinossaurozinho de estimação do Piteco. Se limitava apenas a seguir seu dono fazer alguns gruns, gruns ( casou até com a Thuga ). Com o tempo começou a ganhar personalidade própria e em 1963 passa a viver suas próprias aventuras junto com seu amigo Tecodonte e sua 'namorada' Lucinda. Dizem que Horácio é o alter ego de seu próprio criador, e nas palavras do próprio Mauricio:

"Horácio é o personagem onde coloquei mais de mim como pessoa. como o mauricio. enquanto em outras criações eu brincava de ser cachorro (bidu), elefante (jotalhão), menina brabinha (mônica), sujinho (cascão). eram "interpretações".com o horácio é diferente. ele fala muito de mim. ou por mim. mesmo sendo um personagens atemporal, vivendo numa fresta do tempo que pode ser passado, futuro, outro planeta, outra dimensão...mas exatamente por essa "desorigem", não tem responsabilidade com estilos, modismos, tendências, com o que acontece aqui ou agora...permite sátiras, críticas de costumes, fabulações. permite libertação. observação, avaliação. eu olho pelos grandes olhos do personagem. vivo suas dúvidas, suas angûstias (poucas) e seus desejos (às vezes disfarçadinhos). falo muito pelo horácio nessa fabulação."

This page is powered by Blogger. Isn't yours?